21.1.16

palma das mãos à noite

talvez apareça uma outra mulher em cuja luz consiga descobrir o
rosto, também destruída de tanto reconstruir o coração aos
arrastões, violentamente como um pombo batendo no vidro de um
carro. talvez um dia haja uma falésia, um precipício no lugar
da dor de cabeça e alguma casa possa assemelhar-se a um lar,
alguma cama abrigue sob a coberta as mãos que buscam.
haja sempre mãos que no baixo ventre busquem.

No comments: